MITADER
Ministério da Terra,
Ambiente
e Desenvolvimento Rural
logologomangalvista do mar e barcos de pescapessoas a apanhar ameijoas na praiacoralvista da baiamergulhador debaixo de água a recolher dados

Centro de Desenvolvimento Sustentável para as Zonas Costeiras


Bem Vindo 
Aprendizagem Sobre Mangais 
Gestão dos Recifes 
Actividades 
Campanhas 
Conferências 
Investigação 
Publicações 
Cursos em Gestão Costeira 
Referências 
Base de Dados 
Sobre Nós 
EAME - Ecoregião Marinha da África Oriental 

separator
Zona Costeira
Definição
Gestão
Ecossistemas

Espécies Ameaçadas


Diferentes espécies de tartarugas e mamíferos marinhos foram identificadas na costa moçambicana, algumas em risco.

Tartarugas Marinhas

Existem 8 espécies de tartarugas marinhas no Mundo. Das 5 que ocorrem no Oceano Índico, todas desovam nas praias Moçambicanas, nomeadamente: tartaruga verde (Chelonia mydas), tartaruga de bico (Eretmochelys imbricata), tarataruga olivácea (Lepidochelys olivacea, tartaruga coriácea (Dermochelys coriacea) e tartaruga cabeçuda (Caretta caretta). As populações das 3 primeiras espécies estão concentradas a norte do Rio Save e as restantes 2 a Sul.

Devido a acção directa e indirecta do Homem sobre as tartarugas e seu habitat, a população destas tem vindo a diminuir em termos numéricos em várias zonas da costa de Moçambique. Devido a esta redução todas as 5 espécies são consideradas em perigo de extinção e são protegidas por lei. Por serem espécies migratórias e se encontrarem ameaçadas mundialmente, a protecção e utilização de tartarugas marinhas é regulada por leis e acordos internacionais, como é o caso da Convenção Internacional para o Comércio de Espécies (CITES).

Mamíferos Marinhos

Na costa moçambicana foram já identificadas 18 espécies de mamíferos marinhos (incluindo baleias, golfinhos e dugongo), das quais 6 são comuns nos ecossistemas litorais em Moçambique. Três destas são espécies de baleias migratórias que procriam nas águas litorais: a baleia minke (Balaenoptera acutorostrata), baleia jubarta (Balaenoptera novaeangliae) e a baleia franca do sul (Eubalena australis) e 2 são espécies de golfinhos: o golfinho focinho de garrafa (Tursiops truncatus) e golfinho corcunda (Sousa chinensis) que ocorrem durante todo o ano. A sexta espécie é o dugongo (Dugon dugon) que é também residente e alimenta-se de ervas marinhas. Uma população de dugongos, estimada em cerca de 130 indivíduos, ocorre no Arquipélago do Bazaruto. Esta é provavelmente a última população viável de dugongos na África Oriental. Estas últimas espécies estão intimamente associadas aos habitats marítimos costeiros: estuários, corais, tapetes de ervas marinhas e mangais. A degradação destes habitats afecta consequentemente a conservação dos mamíferos marinhos.


Veja também:
Definição

Zonas costeiras são zonas que podem ser classificadas como a interface entre terra e a água, zona onde acaba a influência do mar/rios/lagos e começa a influência da terra, ou vice-versa, zona intermédia entre terra e superfícies aquáticas.

Em Moçambique, a zona costeira define-se como sendo áreas compreendidas entre o limite interior terrestre ou continental de todos os distritos costeiros, incluindo os limítrofes do lago Niassa e albufeira de Cahora Bassa, até 12 milhas mar dentro.



Gestão

Os grandes objectivos da Gestão Integrada da Zona Costeira podem definir-se da seguinte maneira:



Ecossistemas

De entre os ecossistemas tipicamente costeiros, os mangais, os recifes de coral e os tapetes de ervas marinhas são dos mais importantes. Estes ecossistemas, são, no seu conjunto, responsáveis pela maior parte da produtividade marinha e costeira (fitoplâncton, peixe, moluscos, crustáceos, etc.), pela estabilidade da zona costeira (os corais e os mangais protegem a costa contra a erosão), pela qualidade da água do mar que os mangais mantém como filtros, etc.




breves
Nenhuma notícia nesta categoria, de momento...

©2005+ Centro de Desenvolvimento Sustentável para as Zonas Costeiras. Esta página tem o apoio financeiro da DANIDA.
Sítio realizado com SPIPTermos e Condições